Em 5 de outubro de 1988, num discurso histórico, Ulysses Guimarães declarou promulgada a nova Carta.

Chegamos! Esperamos a Constituição como o vigia espera a aurora. Bem-aventurados os que chegam. Não nos desencaminhamos na longa marcha, não nos desmoralizamos capitulando ante pressões aliciadoras e comprometedoras, não desertamos, não caímos no caminho.

 

Introduziu o homem no Estado, fazendo-o credor de direitos e serviços, cobráveis inclusive com o mandado de injunção. Tem substância popular e cristã o título que a consagra: “A Constituição cidadã”

A Federação é a governabilidade. A governabilidade da Nação passa pela governabilidade dos Estados e dos municípios. O desgoverno, filho da penúria de recursos, acende a ira popular, que invade primeiro os paços municipais, arranca as grades dos palácios e acabará chegando à rampa do Palácio do Planalto.

A Nação nos mandou executar um serviço. Nós o fizemos com amor, aplicação e sem medo. A Constituição certamente não é perfeita. Ela própria o confessa, ao admitir a reforma. Quanto a ela, discordar, sim. Divergir, sim.

Descumprir, jamais. Afrontá-la, nunca. Traidor da Constituição é traidor da Pátria.

Quando, após tantos anos de lutas e sacrifícios, promulgamos o estatuto do homem, da liberdade e da democracia, bradamos por imposição de sua honra: temos ódio à ditadura. Ódio e nojo.

A moral é o cerne da Pátria. A corrupção é o cupim da República. República suja pela corrupção impune tomba nas mãos de demagogos, que, a pretexto de salvá-la, a tiranizam. Não roubar, não deixar roubar, pôr na cadeia quem roube, eis o primeiro mandamento da moral pública.

Não é a Constituição perfeita. Se fosse perfeita, seria irreformável.

Ela própria, com humildade e realismo, admite ser emendada, até por maioria mais acessível, dentro de 5 anos. Não é a Constituição perfeita, mas será útil, pioneira, desbravadora. Será luz, ainda que de lamparina, na noite dos desgraçados. É caminhando que se abrem os caminhos.

O Estado autoritário prendeu e exilou. A sociedade, com Teotônio Vilela, pela anistia, libertou e repatriou. A sociedade foi Rubens Paiva, não os facínoras que o mataram.

Adeus, meus irmãos. É despedida definitiva, sem o desejo de retorno. Nosso desejo é o da Nação: que este Plenário não abrigue outra Assembléia Nacional Constituinte. Porque, antes da Constituinte, a ditadura já teria trancado as portas desta Casa.

Político, sou caçador de nuvens. Já fui caçado por tempestades. Uma delas, benfazeja, me colocou no topo desta montanha de sonho e de glória. Tive mais do que pedi, cheguei mais longe do que mereço.

 

Foi  a sociedade, mobilizada nos colossais comícios das Diretas-Já, que, pela transição e pela mudança, derrotou o Estado usurpador. Termino com as palavras com que comecei esta fala: a Nação quer mudar. A Nação deve mudar. A Nação vai mudar. A Constituição pretende ser a voz, a letra, a vontade política da sociedade rumo à mudança. Que a promulgação seja nosso grito:

- Mudar para vencer! Muda, Brasil!

7 Respostas to “Em 5 de outubro de 1988, num discurso histórico, Ulysses Guimarães declarou promulgada a nova Carta.”

  1. [...] Em 5 de outubro de 1988, num discurso histórico, Ulysses Guimarães declarou promulgada a nova&nbsp… [...]

  2. andrade Says:

    Ulisses Guimarães foi uma figura muito importante na vida pública brasileira.
    Homem forte, autêntico, corajoso e determinado
    valeu …..

  3. Gostaria que falasem claramente,onde como e quando surgiu a democracia paticipativa e qual sua finalidade,em quais países ela se aplica e porque.
    Obrigada ATT: Lilian 02/04/2010 23:13

  4. Nunca em frases tão curtas e idéias um orador foi tão lúcido e magnífico.
    Ulysses foi mesmo o homem certo, no lugar certo, na hora certa….e com a oratória mais do que certa: PERFEITA!
    SAUDADES DO DOUTOR ULYSSES

  5. Olhem o sétimo parágrafo acho que a maioria dos políticos se esqueceu deste.

  6. Givanildo Lima Says:

    Onde chegamos Dr. Ulisses, o senhor não resistiria ver no que o congresso se tornou.

    Doutor, até Vicentinho e Paulo Paim defendem salário mínimo mais mínimo.

    Os grandes homens estão desaparecendo.

  7. Ulisses Guimaraes arem de grande estadista e ilustre brasieliro, foi profeta de sua propria partida,deixou a todos nós aberta a porta da esperança de uma pátria da qual ainda havremos de nos orgulhar, cumrpiu muito bem sua missão, grande guerreiro, Que Deus te dê uma nobre missão onde voce estiver.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 36 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: